Cuide do seu cão

A torção gástrica é uma doença perigosa e fatal, o tratamento consegue salvar apenas 60% dos cães. O problema se encontra n a má alimentação ou quando se oferece erradamente algo ao animal, fazendo com o que o estomago gire e comece a dilatar

Um exemplo desse problema foi relatado no filme Marley e Eu, quando Marley foi levado às pressas para o hospital pois estava com a barriga inchada! Então, ele estava com o problema da torção gástrica em cães.

É necessário reconhecer alguns sinais no pet e encaminha-lo o mais rápido possível para o atendimento de um veterinário, caso contrário o cão poderá morrer de 6 a 12 horas, se não houver um diagnóstico e um tratamento adequado.

O que é a torção gástrica em cães?

Mais conhecida como DVG (Dilatação vólvulo gástrica), este nome complicado cientificamente falando, a torção gástrica é uma síndrome aguda. Afeta os cães de grande porte. idade avançada e os que posassem uma dieta baseada em alimentos com grande quantidade de gordura e alimentos secos.

Quando o estomago gira na cavidade abdominal do animal, faz com que os ligamentos que sustentam os órgãos se rompem devido ao movimento e em virtude da dilatação. Obstruindo assim a passagem da entrada e da saída dos alimentos, águas e dos gases.

A DVG, ainda eleva o aumento da pressão intra-abdominal, tornando o fluxo sanguíneo cada vez mais reduzido na veia cava e no sistema do portal. O volume de sangue bombeado pelo coração vai ficar drasticamente menor por conta do retorno venoso. Ainda assim, alguns pets, com torção gástrica podem apresentar arritmia e aumentar ainda mais o risco de vir a óbito.

Fique atento ao seu pet, quanto mais rápido for o atendimento, maiores as chances de estabilização, tratamento e recuperação do paciente.

Os principais sintomas da torção gástrica em cães reconhecer os sintomas da torção gástrica em cães podem significar salvar a vida do pet.

Entre os mais comuns, estão:

  • Posição do corpo: cabeça e cauda baixas, com a coluna encurvada;
  • Abdômen inchado e dolorido por causa da dilatação do estômago;
  • Inquietação: o cachorro caminha de um lado a outro compulsivamente;
  • Tosse constante, seguida de arrotos e tentativas de vômitos;
  • Cachorro babando excessivamente;
  • Dificuldade respiratória;
  • Queda brusca de pressão arterial e entrada em choque.

Como prevenir a torção gástrica em cães

  • No dia a dia, algumas pequenas ações podem prevenir a enfermidade e proporcionar maior longevidade e qualidade de vida ao seu amigo de quatro patas.
  • Evitar alimentação rica em carboidratos e/ou secas. Elas aumentam o risco de dilatar no estômago principalmente quando o cão toma muita água entre as refeições;
  • Repartir a oferta de comida em duas ou três vezes, evitando servir grande quantidade em uma só vez por dia;
  • Deixar o pet comer tranquilamente, sem outros cães ao redor que possam querer “roubar” a comida ou pessoas atrapalhando a alimentação;
  • Evitar que o pet coma muito rápido e de forma ansiosa, fazendo com que engula, sem mastigar, grandes quantidades de alimentos misturados com ar;
  • Nunca dar de comer antes ou depois de fazer exercícios físicos ou caminhadas intensas;
  • Evitar brincadeiras mais intensas depois de comer. Por exemplo, brincar de jogar bolinha para ele correr, pular e pegar a bola. Esses movimentos bruscos podem causar torção gástrica;
  • Evitar que o cão beba grandes quantidades de água antes ou depois de comer, principalmente se o alimento for seco.